Um amor perfeito; do futuro mais que perfeito do subjuntivo…

Durante toda minha vida buscava um amor perfeito,
Andava,
Corria,
Chorava….

Ranger dos dentes,
era o que mais se ouvia,

Durante todo este tempo eu vagava….
Então, aparatos eletrônicos me encontraram,
E por meio deles encontrei alguém,
Que me trouxe você….

Duas microcélulas se encontraram,
então vieram quarenta semanas de espera,
Uma dor lacerante atingiu meu ventre,
Numa sexta-feira 13 que podia ser fatídica,

Fato é que as dores vieram,
Machucaram, feriram, revoltaram…
A ponto d’eu achar que não valia a pena.

O que veio depois da sexta?
O sábado e nele você surgiu em minha vida;
Uma coisinha pequena e frágil,
Bela e enrugada…

Sentimentos confusos tomaram meu peito,
Uma brisa suave tocou meu rosto,
Seu nome surgiu em meio à confusão:
Beatrice Adele,
Nascida de boa família,
Para me trazer alegrias.

O quanto te amo?
Não me é possível mensurar;
O quanto te quero?
Não me permito falar.

Penso o tempo todo em você,
Preocupo-me o tempo todo contigo:
Sua fragilidade me toca,
Seu sorriso me rende,
Seu toque me enleva…

Ah, minha menina!
Nunca pensei que encontraria um amor assim,
completo, perfeito, sincero.

Eu te amo:
Inexplicavelmente,
Inabalavelmente,
Desesperadamente.

O engano foi temporário

maeefilho

Sempre desejei ter vivido na época dos grandes descobrimentos,

Nem era preciso que fosse um capitão,

Tal qual Fernão de Magalhães ou Cristóvão Colombo,

Bastava-me ser um marinheiro,

O importante era poder sentir a experiência da navegação,

Da descoberta de mundos inimagináveis,

Navegar por mares nunca dantes voejados,

Hoje fui agraciada com essa sensação,

Sem que para isso fossem necessárias máquinas mirabolantes do tempo,

Nenhuma máquina como a do filme ‘back to the future’;

Hoje sei o quanto era ignorante,

O quão pouco conhecia…..

Achava que a concepção fosse algo….esdrúxulo,

Algo ‘bonitinho’, sem sabor, sem sentido,

Que fetos eram espécies minimizados de parasitas,

Que se alimentavam de seus hospedeiros

Não só durante a gravidez,

Como também a vida toda,

Achava que a experiência de ter filhos

Era supervalorizada,

Aprazia-me ver os filhos alheios,

Amava fortemente meus sobrinhos e priminhos,

Sem saber o quão grandiosa e poderosa é

Tal experiência…

Hoje eu sei quão tola fui,

Percebi que há uma grandiosa diferença

Entre saber-se grávida por meio e exames laboratoriais,

E Ver e Ouvir aquele pequeno ‘bonequinho’ dentro da gente….

Por Zeus! Foi fantástico!

Foi soberbo ver as perninhas e bracinhos,

O tórax e a cabecinha,

Ouvir aquele som estrondoso do coração!

Sensação ímpar, inigualável….

Agora eu sei,

Que tudo o que fui será mudado,

Não sou mais Fátima Tardelli

Não mais só Fátima Tardelli,

Sou a Fátima Tardelli que será mãe do Giuseppe ou Beatrice,

Sei que tudo o que pensava/sentia sobre o mundo

Será visto por diversos outros prismas,

Como se olhasse por meio de um caleidoscópio,

Sei que o que eu pensava ser o amor,

É tão pequeno se comparado ao que é

Esse NOVO tipo de amor,

Agora eu sei o que é,

Vislumbrar o futuro pensando em outrem,

Planejar o presente,

Pensar no passado…

Tudo muda,

Tudo diferente,

A Fátima que eu fui até hoje,

Meio que ficou esvaecida,

Parece uma carta amarelada,

Um tosco esboço do que me tornarei,

Não tenho medo,

Não tenho dó do que supostamente possa ter perdido,

(a liberdade completa, p.exemplo),

Sinto-me mais forte,

Mais equilibrada,

Mais tudo….

Fico imaginando,

Tudo o que quero ensinar para meu filho/a

Tudo o que quero dizer a ele,

Como quero ensinar que ele/a tem de ser honesto,

Por ser a honestidade uma obrigação, não uma qualidade,

Que ele tem de ser justo,

Por ser a justiça um ideal a ser alcançado,

Que ele tem de ser bom,

Para atender a um impulso interno de seu coração,

Não por medo do julgamento alheio….

Quero ensiná-lo a amar os livros,

A viajar por meio deles,

A sonhar, ao lê-los,

Quero ensiná-lo a enxergar a natureza,

E como ela ajusta tudo de forma maravilhosa,

Quero ensiná-lo a ter pensamento crítico,

E não se deixar levar por miragens,

Quero contar a ele estórias de grandes homens:

Carl Sagan,

Galileu,

Copérnico,

Newton,

Stephen Hawking

Richard Dawkins,

E tantos outros mais,

Quero ensiná-lo a olhar as estrelas,

E enxergar que elas são mais do que luzes bonitas

A enfeitar um céu noturno…

Que são elas vislumbre de um universo grandioso

Maravilhoso, digno de ser respeitado,

Quero ensiná-lo que o que cada homem/mulher

Deste planeta é, é resultado de tudo o que cada homem/mulher

Que já viveram neste planeta foram…

Que somos resultado de todo o conhecimento que a Humanidade acumulou…

Quero ensiná-lo matemática, português, literatura, história, geografia, filosofia, música…

Quero ensiná-lo a olhar as pessoas nos olhos….

Quero ler livros para ele,

Assistir documentários,

Jogar xadrez,

Andar de bicicleta,

A nadar,

A correr,

A brincar com os cachorrinhos,

A ouvir música erudita e rock,

Quero ensiná-lo a abraçar,

Para que ele me presenteie sempre,

Envolvendo meu pescoço

Com seus braços pequeninos.

Meu bebê….saiba que eu quero muito você!

Uma parte de mim morre um pouco, todos os dias….

Estou mudando. Aos poucos, lentamente…mas estou. Não creio que para melhor; mais realista, menos sonhadora; mas não melhor. O mundo que eu desejava para mim mostrou-se ser inviável. Era um mndo bonito e ressinto-me de estar desistindo dele….

Liberdade e escolha

correntes

Inspirada no texto de minha amiga Cintia ‘Nas asas da borboleta

Liberdade,
Escolha….
Escolho…a liberdade?
Como, se alguns grilhões são tão doces?
Se sou como abelha, voejando em torno do doce contido nos grilhões?

Corremos todo dia em busca da felicidade,
Será que ela coexiste com a liberdade?

Pois vejo na felicidade, também grilhões;
quase tudo que me faz feliz, de certa forma também me prende:
a família, os amigos, o trabalho, os amores…

Tudo sempre faz com que não façamos o que nos dá na veneta,
estamos sempre colocando pesos na balança,
os contrapesos são muitos,
a liberdade é ter escolha….

Ainda assim,
Após pesar os termos,
esta escolha fica difícil….

Pois cada escolha equivale à uma renúncia,
E quem quer renunciar ao que quer que seja?

Não, queremos tudo,
tudinho,
em letras garrafais, nada miudinho….

Queremos a família, os amigos, os amores,
mas queremos liberdade completa,
queremos ter escolha…..

Podem elas coexistirem? A liberdade e a felicidade?
Creia no que quiser: é sua, a escolha.


Henry & June?

listradinho

Henry Müller não amava Anais Nïn,
Ou amava, mas uma espécie de amor tão-somente carnal;
Não era aquele amor,
Que sói mulheres sonham,
Que sói nós mulheres queremos,
Que só por ele ardemos,
Este, Henry sentia por June….

O amor contemplativo,
O amor emotivo,
O amor sonolento,
Modorrento,

À Anais restavam sobras,
Restava apenas….desejo,
Daqueles que não prescindem de beijos,

Que azar o da Anais,
Que sorte o da June,
Ou seria o inverso…?

Penso que o melhor seria,
Experimentar a soma dos dois:
O amor-emotivo,
O amor-desejo,
Tudo selado com vários beijos,

Vi no blog de duas meninas a imagem do post e me inspirei:
Quero um amor listadinho,
Mas quero também um amor que me dê calor,
Daquele que Maria Moura sentia por Cirino,

Quero um amor-perfeito,
Acho que disso, só terei a flor….
E se EU comprar, bien entendú!

‘Tem problema não….
o perfume dela, ficará em minhas mãos.

Jovem bardo: meu amigo

calvin1p

Existem algumas pessoas que sáo únicas; existem algumas pessoas que são realmente especiais. Dentre estas, existe uma que, não obstante estar longe, é um dos melhores amigos que eu tenho. Pensar nele enternece meu coração. Tem ele uma longa caminhada a fazer; neste cenário feio, obscuro e fétido que o mundo tem se tornado; é ele um lufar de perfume que o vento traz; é ele uma flor solitária num jardim de ervas daninhas. Meu querido jovem bardo, eu realmente, adoro vc. Muito obrigada!

Raphael e a praia

Uma visita e homenagem à Dai

Eu, ainda menina, levava os garotos da vizinhança para uma casa abandonada na minha rua. Eu era a professora e hoje, com muito orgulho, devo admitir que muitos experimentaram sexo pela primeira vez com essa aqui, que vos narra. Mas Raphael – por que com ph não sei. Parece alfabeto dos meus tempos. O Raphael era muito bonito e suas sungas…

E eu ficava sempre a olhar.
Apesar de ter 69 (sem piadinhas, por favor! Respeitem minhas rugas), o tempo me foi condescendente e, o amigo do Pitangui deu uma ajudazinha (meu bolso que o diga!), de forma que, mesmo velha, na gíria de hoje ‘ainda dou um caldo’.

Não que eu arrisque andar pelas praias de fio-dental (tenho ainda ‘sitocômetro’), mas um maiô preto-básico me cai bem.

Rafaelzito (ah, menino!) sempre passeia por Ipanema, de forma que resolvi ‘aquelas bandas assuntar’. As moçoilas de hoje em dia são muito tolas! Homens se conquistam pela cabeça (não propriamente a que enfeita os ombros) e pelo paladar!

Sabendo isso (a idade traz, ao menos, experiência), fui antes ao mercado e abasteci-me do melhor, para preparar o melhor da culinária rápida. Rapazes fortes precisam se alimentar 😉
Preparei, acondicionei e levei comigo para a praia. Sentei-me perto do quiosque, embaixo de um guarda-sol gigantesco.

Quando vi o rapazote passando, fingi-me desconhecê-lo, até que a educação do moço (aliada à fome que sentia), tal qual uma queda de braço, venceu-o e ele me cumprimentou:

– Olá, dona fulana…..

Inteligentemente, respondi, toda educada:

– Olá…dispenso o ‘dona’…quer se sentar?

E ele agradeceu. Claaaro que ofereci o alimento suculento, tencionando que ele desejasse, mais tarde, alimentar-se de outro modo:

– Quer um lanchinho, querido?

Ele, faminto, aceitou:

– Noooosssa! É o melhor lanche que comi em minha vida!

– Ah, isso não é nada, bondade sua!
[como sou dissimulada – até mesmo eu me surpreendi com a ‘jogada’ ?!?!?!]

Conversa vai, conversa vem…fingi profundo interesse com o esporte que ele praticava (surfe….coisa chata!) e ele se surpreendeu com a clareza e interesse que minhas palavras revelavam.

A tarde caiu, ele foi ao mar. Aproveitei e deitei-me de bruços, pois a paixão nacional ainda é a bunda! (salvo grande engano).

Quando voltou, percebi uma olhada de esguela, mas fingi-me de morta (tal qual o abutre, que quer alimentar-se do coveiro).

A noite estava chegando, quando nos despedimos (ah, não reclame! Claro que não foi de primeira! Todo projeto demanda tempo para ser consumado)

No próximo final de semana, repeti a dose. Repeti o interesse, repeti o jogo de sedução.

Aos poucos os olhares ávidos se tornaram mais constantes. E eu com olhar distante, fingindo nada perceber.

– Olha, a senhora me desculpe, mas a senhora ta bem bonitona!

– Imagine, mocinho…..deixe o ‘senhora para lá’.
[hahahahahahaha]

No próximo final de semana, novo ataque. Minha vontade de ferro venceria a pouca tenacidade adolescente.

Então pedi ao menino Rafael (um anjo!) que passasse bronzeador nas minhas costas. Ao que ele atendeu (bom moço!). Ofereci-me para fazer o mesmo, alegando que surfistas, por estarem expostos ao sol, precisavam de maior proteção. Ele aceitou e eu aproveitei!

Dois meses se passaram, neste ‘passa-passa’, até que minhas mãos tornaram-se mais ousadas (juro que contra minha vontade!). E, hora tocavam de leve, hora tocavam forte….deixando transparecer como seriam os demais toques.

O corpo jovem, ávido…não demorou a responder (senti-me tão lisonjeada, que fiquei enrubescida). Mas…vou até o fim nesta parada!

Então começamos a nos encontrar mais cedo, para ele poder me ajudar com o cesto de lanches: nos encontrávamos no elevador, até que um dia, ele estava lotado.

Ele me ‘se encaixou’, dando-me uma ‘encoxada’, e eu empinei o que ainda restava das elevações do glúteo. E ele gostou.

Fomos à praia, mais ‘passa-passa’, mais elogios à minha formosura (me engana, que eu gosto!).

Fim de praia, chegamos a uma construção. Fingi que ouvia um barulho e disse que era melhor que investigássemos (alguém poderia precisar de socorro)….

[Dai, minha querida, conceder-me-ia a honra de – com seu talento – continuar a estória?]

Que a guitarra soe!

Uma visita e homenagem a uma amiga

Por muito, muito tempo,
Perdi amores, perdi sabores,
Por medo do desconhecido,
Por medo de razões ocultas,
Por medo de valores ímpios.

Por muito, muito tempo,
Procurei nos acordes duma guitarra,
Uma canção frenética,
De paixão indelével,
De amor fugaz.

Por muito, muito tempo,
Tive medo de amar realmente,
Aquele amor cálido e plácido,
Complacente…
Aquele amor de quem ama, simplesmente,
Sem necessidade de aventuras e explosões efêmeras.

Por muito, muito tempo,
Dancei ‘rock a billy’
Chacoalhando o corpo,
Chacoalhando a mente,
Sem perceber que mentia,
Que escondia de mim mesma,
O medo de não ser correspondida,
De não ser querida…de ser só amiga.

Imaginava eu,
Que a amizade excluía de vez o amor,
Como se fossem água e óleo,
Enquanto que, na verdade,
O amor é sempre amigo,
Que ele (o amor) só se estabelece entre pessoas
Que se conhecem ‘há anos’,
Que, juntas, fazem ‘planos’…
Mesmo que sejam planos sobre o próximo fim-de-semana
Ou a próxima pizza….

Não sabia (euzinha, euzinha mesma!)
Que o amor não exclui o prazer da paixão a dois,
Mas que ele não é como o desespero da fome de ‘chocolate’,
Mas cálido como o sabor do almoço de domingo….

Desconhecia (euzinha, euzinha)
Que o amor da rotina,
Faz com que queiramos conquistar
Ontem, hoje, a cada dia…
Buscando novas formas de surpreender,
De trazer o brilho no olhar!

Hoje eu conheço
Ou amanhã conhecerei…
[quem sabe o que me reservam os quartos cujas portas tenciono abrir?]
Que o amor real é como uma semente,
Que se planta,
Que se rega,
Que se vê brotar,
Que, quando já crescida
(semente transformada em muda)
Se transporta para vaso definitivo,
Ou para o jardim…que se irá apreciar?

Que tal pequena planta,
Com os cuidados necessários,
Transformar-se-á num belo espécime
Que dará as flores tão desejadas!

Que a orquestra toque,
Que a guitarra soe!
[e que os anjos digam amém!]

by me

Saudades!

Eu sinto tantas saudades!

Sinto falta de seus gracejos tolos,

De sua acidez e sinceridade,

Da tempestade de idéias que nossas conversas me causavam,

Da sua calma ao explicar-me coisas que desconhecia,

Da sua bondade, que o levava a fingir profundo interesse em meus textos bobos,

Da pessoa que eu era, que fui…

Alguns amigos carregam consigo parte de nós,

E eu sinto falta da parte que você carregou.

Espero que tenha lhe acrescentado algo em retribuição…

Mesmo que não, saiba que eu sinto falta.

By me

Minha força

Minha força
Não está em jogos-de-poder,
Ou na guerra dos sexos,
Na competição por parceiros,
Ou em quaisquer lutas com terceiros;

Não está em usar minha capacidade de liderança
Para espúrias tentativas de manipulação da vontade alheia,

Não está em ‘beicinhos’ ou no ‘bater de pezinho’,
Próprio de crianças mimadas,
Nem em chantagens emocionais ou sexuais,
Que algumas mulheres adotam;

Minha força reside,
Na capacidade na paixão avassaladora,
Na tempestade erótica que arranca árvores das raízes,
Na capacidade de entregar-me loucamente,
Na capacidade de amar incondicionalmente,

Está ela em minha feminilidade,
No instinto materno que me impulsiona o cuidar,
Na dedicação que me faz capaz de fazer feliz
Quem quer eu esteja ao meu lado….

Minha força
Está em também em meu profissionalismo,
Que me torna independente, capaz de prover-me
Libertando-me da necessidade instintiva de buscar num parceiro um provedor,

Libertando-me, liberto também eles,
Da duvida de serem queridos ou de ter-me ao lado por interesse,
Meu único interesse é o amor!

Está em meu intelecto,
Em minha capacidade de aprender
Reter e processar informações,
Está na práxis: ato de transformar o conhecimento
Que me faz, ao mesmo tempo:
Mulher emotiva e racional.

Está na minha vontade
Que me faz querer, desejar
E lutar pelo que desejo em todos os campos de minha vida,
Em minha consciência de que não posso ter tudo o que quero,
Mas de querer tudo o que tenho,

Que me faz querer quem me quer,
E até mesmo desistir e ‘dar um pé’,
Se eventualmente não houver reciprocidade…

Está em minha fé,
Fé em mim mesma
Por ter plena e completa consciência de meu valor
Que me faz valorizar também quem está comigo (você, Docinho),
Que me faz querer ajudá-lo a desenvolver suas potencialidades,
Para que cada dia mais sejas um ser humano completo, feliz.

Está ela na esperança,
Que me faz sempre dar uma chance,
À mim mesma, aos parceiros, aos amigos,
Na fé que todos foram, são ou serão tão íntegros quanto eu,

Pois tenho visto pelo Mundo,
Exemplos terríveis de iniqüidades,
De desonra, de mediocridade,
Tenho percebido que tenho mais honra num único fio de cabelo,
Que várias pessoas têm em seu corpo inteiro,
Mas tenho fé que o panorama pode sempre mudar,

Eu sei quem eu sou,
Sou ousada,
Sou honrada,
Sou corajosa,
Sou leal,
Sou formosa!

E por certo sei que não sou a única,
Mas que somos raros,
E, sendo raros, não podemos desistir,
Pois todos podem evoluir, mudar, abandonar o erro, a ilusão
E a mantença de nossa honra pode inspirar outrem…

Sou tudo isso, eu sei,
Sei ainda que sou mais um pouco,
Que sou capaz de atos grandiosos em prol de amigos,

À quem dedico afeto e carinho,
Por quem seria capaz de lutar para proteger,

Sou mais um pouco:
Sou presente,
Sou benevolente,
Sou decidida,
Sou amável…

A modéstia….?
– puff…..desculpa de incompetentes
(assim disse o Nelson, Rodrigues)

Valorize-me que te valorizarei,
Ame-me e eu te amarei,
Honre-me e te honrarei,
Aos amigos, aos amores: tudo!

Aos inimigos, meu mais profundo desprezo,
Meu mais profundo asco,
Minha mais profunda pena……

> Coitados! <

Sou o ferro forjado em fogo ardente,
Sou o aço que permite o desenvolvimento,
Sou os ventos que movem moinhos,
Que insuflam velas, que permitem a navegação,
Sou Pégasus: forte, livre, indomável…
Mas que permite a doma, se o objetivo é nobre
(como derrotar a Quimera)
Eu sou o raio, sou o relâmpago e o trovão,
E posso ser, o ouro em seu brasão.

Lembro de um poema que li quando criança:

Força é saber amar de forma doce e constante,
Com o encanto de rosa alta na haste
Para que o amor, se ferido, não se acabe,
Na eternidade amarga de um instante

Que resumo na sentença:
Força é saber amar!

E isso….eu sei!

by me

« Older entries