Um amor perfeito; do futuro mais que perfeito do subjuntivo…

Durante toda minha vida buscava um amor perfeito,
Andava,
Corria,
Chorava….

Ranger dos dentes,
era o que mais se ouvia,

Durante todo este tempo eu vagava….
Então, aparatos eletrônicos me encontraram,
E por meio deles encontrei alguém,
Que me trouxe você….

Duas microcélulas se encontraram,
então vieram quarenta semanas de espera,
Uma dor lacerante atingiu meu ventre,
Numa sexta-feira 13 que podia ser fatídica,

Fato é que as dores vieram,
Machucaram, feriram, revoltaram…
A ponto d’eu achar que não valia a pena.

O que veio depois da sexta?
O sábado e nele você surgiu em minha vida;
Uma coisinha pequena e frágil,
Bela e enrugada…

Sentimentos confusos tomaram meu peito,
Uma brisa suave tocou meu rosto,
Seu nome surgiu em meio à confusão:
Beatrice Adele,
Nascida de boa família,
Para me trazer alegrias.

O quanto te amo?
Não me é possível mensurar;
O quanto te quero?
Não me permito falar.

Penso o tempo todo em você,
Preocupo-me o tempo todo contigo:
Sua fragilidade me toca,
Seu sorriso me rende,
Seu toque me enleva…

Ah, minha menina!
Nunca pensei que encontraria um amor assim,
completo, perfeito, sincero.

Eu te amo:
Inexplicavelmente,
Inabalavelmente,
Desesperadamente.

Fugir

icarus_031

Queria fugir de mim,

Ser outra pessoa, sei lá

Talvez uma escritora:

Anais Nin,

Georges Sand…

Escrever avidamente,

Viver como se fosse o último dia

Queria voltar à infância,

Ir ao Piqueri jogar pão velho aos patos,

Imaginando que poderiam ser cisnes,

Lavá-los com detergente novamente,

Só pra ver se afundam, como já fiz

Queria ficar de ponta-cabeça,

Naquele brinquedo infantil,

Que mais parece uma gaiola…

Queria fazer pipas com restos de folha-de-seda,

Linha e cola….

Só pra ver que a pipa não sobe,

Não voa….

Queria cair do JJ novamente,

E novamente em cima do formigueiro,

Machucando-me, mas sabendo-me viva!

Queria ser uma astronauta,

Pára-quedas, já saltei,

Queria ir uma Apolo qualquer,

Dar um passo na lua, quem sabe?

Correr….

Queria estar longe daqui,

Desta incerteza que machuca,

Da falta de sossego, que me aflige.

Queria fugir!

Correr pelos bosques,

Esconder-me numa árvore,

Andar a esmo em caminhos estranhos….

Queria dirigir meu carro por estradas rápidas

Acelerar fundo sem medo de multas

Soltar as mãos do volante só pra ver como é

Queria me divertir….

Queria ir à São José, ver o Revy

Ir à montes Claros, ver o Ro,

Ir à Politécnica, ver a Ci

Ir à Saúde, ver a Rê

Diabos, estou presa aqui!

Preciso reler o Monte Cristo,

E com o conde, criar uma estratégia,

Escapulir….

Ou então falar com Moll Flanders,

Mãos rápidas, mãos leves….

Trasngredir algumas normas,

Cometer alguns pecados….

Estou cansada de Morpheus,

Não quero mais viver de enganos,

Com essa maldita sensação de logro,

É fogo!

Queria conhecer Ícaro,

Emprestar as asas e voar

Queria ser um pássaro qualquer,

Uma folha a voejar,

Uma pluma carregada pelo vento,

Queria levar minha amiga Nenê

P’rum lugar onde não houvesse dor,

Carregar a Duda nos ombros,

Passear no carroussel….

Queria pescar,

Em alto-mar,

Com Marcelo, Renato, Miro e Robson,

Pegar um belo peixe-espada,

Tirar uma foto, exibi-la na sala-de-estar,

Depois soltar….

Quero sapatos novos,

Roupas novas,

Um carro novo,

Uma viagem num cruzeiro,

Uma casa nova,

Quero voar!

Que a terra lhe seja leve….

porta-casquinha-g

Foram 1.460 dias,

4 anos em que amei sozinha!

Te apoiei em tudo o que fazias,

Te desejei, dia-a-dia…

Dedicação assim, não se encontra em qualquer esquina!

E ainda assim, tu me traía

Pela Internet, que seja…

Mas traía!

– ‘Bobagem’….você dizia…

Ah…! Eu havia esquecido!

Havia esquecido o amor que senti

E como ele foi substituído ante à tua infidelidade.

A dor fina

Que qual faca, dilacerou meu coração,

Havia deixado no passado

Abandonei-te, reconstruí minha vida…

E enfim te esqueci!

Seu telefonema mudou tudo isso:

Voz conhecida, fez meu rosto empalidecer

Cúmulos-nimbos se formaram

No céu outrora ensolarado.

Todo meu ser está em revolta

Revolvo meu âmago numa angústia sem par!

Com o estômago revirado

Sinto ânsia, tristeza e pesar!

Solto um impropério

Que revela meu asco.

Num esgar de desprezo,

Relembro teu rosto.

Renato Russo queria a espada,

Menos romântica,

Queria um revólver

Mas fantasmas não morrem,

Você continuaria a respirar…

Queria rasgar as folhas

Deste livro antigo,

Queimá-o numa grande fogueira inquisidora

Eu tenho um indulto!

[grito]

tu não podes mais me alcançar!

Estou agora feliz em outros braços

Tua imagem só me traz temores,

Não que você signifique algo,

Mas temo reviver situação análoga!

[abanando os braços para espantar maus pensamentos,

fazendo figa para afastar maus presságios]

Tua presença não é bem-vinda

– Toc, toc! (batem à porta)

…..Silêncio….

SAIA DA MINHA VIDA!

Liberdade e escolha

correntes

Inspirada no texto de minha amiga Cintia ‘Nas asas da borboleta

Liberdade,
Escolha….
Escolho…a liberdade?
Como, se alguns grilhões são tão doces?
Se sou como abelha, voejando em torno do doce contido nos grilhões?

Corremos todo dia em busca da felicidade,
Será que ela coexiste com a liberdade?

Pois vejo na felicidade, também grilhões;
quase tudo que me faz feliz, de certa forma também me prende:
a família, os amigos, o trabalho, os amores…

Tudo sempre faz com que não façamos o que nos dá na veneta,
estamos sempre colocando pesos na balança,
os contrapesos são muitos,
a liberdade é ter escolha….

Ainda assim,
Após pesar os termos,
esta escolha fica difícil….

Pois cada escolha equivale à uma renúncia,
E quem quer renunciar ao que quer que seja?

Não, queremos tudo,
tudinho,
em letras garrafais, nada miudinho….

Queremos a família, os amigos, os amores,
mas queremos liberdade completa,
queremos ter escolha…..

Podem elas coexistirem? A liberdade e a felicidade?
Creia no que quiser: é sua, a escolha.


Renúncia

golfinho

Estive pensando….pensar é um mau hábito que não consigo abandonar,
Será o nosso amor um amor de verão? Daqueles que têm prazo de validade,
Prestes a acabar?

….

E queria que não; queria que perdurasse,
Que durasse não só o tempo de um beijo,
Não só conforme o desejo,

….

forever ande ver; é o que queria…
mas meu querer não muda as coisas,
meu querer não é o suficiente para fazer com que perdure,
meu querer é insuficiente para mantença das coisas….

ah, Zeus! Quero tanto um amor incondicional,
um amor que dure até ficar velhinha,
até ter osteoporose,
te que ele tenha problemas de ereção (rsrs)….

Não quero SÓ um amor de verão!
Sei que o mundo está repleto de ‘piriguetes’, de ‘lanchinhos’….
Sei que os homens – a maioria – não resistem a eles;

Todavia, não é o que sonho,
Sonho com um amor de verdade,
Que minha renúncia a todos os demais,
Tenha reciprocidade – que você também renuncie a todas as outras….

Será possível?
Seria possível num mundo como o que temos?
Será que existem homens capazes de tal renúncia?
Será que existe tal homem?
Será que você é um deles?

Não sei….
Odeio não saber algo….
Queria uma certeza:
Que estás comigo como estou contigo;
Porém, tal certeza sei que não terei,
Ao menos por hora….

E a cada hora que passa,
Sinto-me mais cauterizada,
Sinto que meu coração,
Tantas vezes despedaçado,
Está a entregar as armas,
Desistir….

Por mais que eu goste,
(creia-me: gosto de ti!)
sei que jamais poderia aceitar
ser apenas uma…

não quero sobras,
quero tudo!
Quero sempre, tudo!
Quero um amor permanente,
Poder vislumbrar um futuro….

Poderia eu ter isso contigo?
Estarei no seu coração,
Como está você no meu?

Falei de ‘piriguetes’ e ‘lanchinhos’,
Às vezes invejo mulheres assim…
Que levem a vida na brincadeira,
Que não tenham problemas em brincar,
Com os corações alheios,

Queria ser mulher fatal,
Daquelas que conquistam o território,
Para abandoná-lo em seguida,
Creio que seria mais fácil,
Mais leve, menos doloroso…

Muitas vezes odeio quem sou,
Odeio ser COMO sou,
Tão séria,
Sentimental,
Tão….entregue!

Queria poder ser desonesta,
Mentir sem sentir dor
(na consciência),
fazer os homens ‘gatos e sapatos’

Mas não SOU,
E aprendi que é defeso à qualquer um,
Forçar nossas naturezas…

Tenho de aceitar o quê e como sou,
Quando amo, amo por inteiro,
Quero por inteiro,
Sou exclusiva e quero o mesmo…

Como conviver com isso,
Se por toda parte que olho,
Vejo pessoas que não enxergam as outras,
Que só perseguem seus próprios interesses,
Que sói pensam em si mesmas,

Que fazem da paquera um esporte,
Independentemente do dano e dor que possam causar a outrem….

Não faço isso,
Todas as vezes que flertei por tempo constante,
Me apaixonei e sofri…

Não quero mais sofrer,
Não quero mais morrer por dentro
À cada relacionamento frustrado….

Seria você capaz do mesmo?
Não sei….
E odeio ignorar algo!

Se quer todas as outras,
Renuncie a mim;
Se quer a mim,
Renuncie a todas as outras.

Pra mim,
TEM de ser assim…..

:::::::::::::::::

ET: não acredito que muitas pessoas leiam essas coisas que escrevo; jamais fui boa com as palavras, aqui escrevo o que sinto, sendo prolixa, meus sentimentos são confusos, tal qual a portadora do coração.

Sou o que sou; não nego a mim mesma, se até meus sentimentos refletem a confusão de meus sentimentos, tua escolha é aceitar-me como sou, ou abandonar-me; gosto de mim, apesar dos defeitos que carrego em minha ‘cruz’.

Nunca me intitulei ‘poeta’, não esperem muito de mim; escrevo o que sinto, e fim!


Henry & June?

listradinho

Henry Müller não amava Anais Nïn,
Ou amava, mas uma espécie de amor tão-somente carnal;
Não era aquele amor,
Que sói mulheres sonham,
Que sói nós mulheres queremos,
Que só por ele ardemos,
Este, Henry sentia por June….

O amor contemplativo,
O amor emotivo,
O amor sonolento,
Modorrento,

À Anais restavam sobras,
Restava apenas….desejo,
Daqueles que não prescindem de beijos,

Que azar o da Anais,
Que sorte o da June,
Ou seria o inverso…?

Penso que o melhor seria,
Experimentar a soma dos dois:
O amor-emotivo,
O amor-desejo,
Tudo selado com vários beijos,

Vi no blog de duas meninas a imagem do post e me inspirei:
Quero um amor listadinho,
Mas quero também um amor que me dê calor,
Daquele que Maria Moura sentia por Cirino,

Quero um amor-perfeito,
Acho que disso, só terei a flor….
E se EU comprar, bien entendú!

‘Tem problema não….
o perfume dela, ficará em minhas mãos.

A semana

 

strong-winds

Na madrugada de uma segunda,

Meu coração foi despedaçado;

Mordi os lábios para reter a lágrimas,

Foi em vão…

 

Elas vertiam de mim como se fosse uma cachoeira,

Mentiram-me: lágrimas não lavam almas,

Elas são como ácido que corroem o espírito…

 

Sonhei com um herói,

Um homem que pudesse amar,

Com quem sonhava todas as noites 

Com um sorriso nos lábios,

Os mesmos que mordi…

 

Descobri que não eras herói,

Então achei que eras bandido.

No fim, eras apenas um homem,

Com defeitos e qualidades…

 

No alvorecer da terça,

Desembarquei naquele porto,

Tão conhecido, tão estranho,

Lembrando-me do gosto amargo em minha boca,

Da miríade de dúvidas que pululavam minha mente,

Que pesavam em meu peito,

 

No entardecer da quarta,

Após avaliar todas as vitórias e derrotas de minha vida,

Senti-me qual soldado que torna a pátria,

E que descobre-se um paria,

 

Na quinta buscava descobrir,

Até que ponto poderia suportar os defeitos daquele homem,

Até que ponto poderia apostar no amadurecimento d’aquel menino,

 

Na sexta verti novas lágrimas

Pois, malgrado todos os esforços,

O êxito no decidir não chegou…

Continuo solitária neste caminho,

Continuo uma contadora que usa a teoria do utilitarismo,

Para descobrir se vale a pena….

 

Chove lá fora,

Venta e Ana Terra ocupa minha mente,

Posso ver pela janela a luz amarela dos postes iluminando as folhas das árvores

Tão bonito!

 

Enganei a todos,

Fingi que estava bem, maquiei-me, vesti o terninho,

Fui profissional, fui amiga, fui colega de trabalho,

Fui aluna, fui filha, fui madrinha,

O show tem de continuar.

 

Amanhã penso nisso….sábados geralmente são bons.

Sardas

contava aquelas sardas,
e aquelas sardas me contavam:
pertenço a um rosto-menino;
e aquele menino tem um rosto;
um rosto que olho perscuto, com verdadeiro gosto,

perdia a conta das sardas,
e passava a contá-las de novo,
perdia-me naquelas sardas,
perdia-me naquele rosto,

A Jardineira

Semeei,

Reguei,

Vi brotar…

Transplantei mudas,

Adubei,

Tornei a regar;

Podei os galhos,

Retirei espinhos,

Recolhi folhas mortas….

Até que,

Finalmente: colhi as flores,

Sorvi os frutos;

Sentei satisfeita

À sombra das árvores já crescidas,

Peguei um livro e li;

Os pássaros me faziam companhia,

Ao som do canto deles, adormeci;

Enquanto ressonava, um sorriso me aflorou aos lábios!

Um dia de cada vez

Havia um disco em minha vitrola,

Que tocava incessantemente músicas antigas,

Fora de meu tempo,

Além de minha vida,

Areia que refaz o caminho da ampulheta

Resquício de um passado que quer voltar….

Tentei desligar, apertando o ‘power’,

Mas a vitrola parecia assombrada,

Como assombradas são algumas lembranças de outrora….

Num ato de negativa,

De rebeldia

(tu não tornas!)

Puxei o plug da tomada,

E o silêncio se fez….

Mas não era silêncio opressivo,

Antes libertador,

Antes pacífico…..

Fiquei a meditar

Sobre os caminhos que a vida revela,

Olhando o passado,

Sofro, sorrio….

A medida da dor

Ou da alegria,

Reside na intensidade e constância

De cada experiência….

O futuro também poderia,

Ser fonte de prazer,

Ser nascente de alegria….?

A esperança em dias felizes do porvir

É capaz de tomar precioso tempo….

Então, tal qual fiz com o passado,

Abandonei o futuro,

Entreguei-me ao presente…

Só aguardo,

A cada sol poente,

O nascer de um novo dia!

« Older entries